Fevereiro 10 2009

          "Deslizo a caneta por estas linhas brancas do meu caderno. Lá fora a chuva cai. Fecho os olhos e ouço gota a gota. Sinto o vento que entra por baixo da porta, o vento que a agita com a mesma intensidade a folhagem das árvores e faz com que elas caiam e umas sob as outras cubram a calçada. Abro a janela, onde as gotas escorrem pela vidraça, sinto o cheiro a terra molhada. O céu está cinzento. Continuo a preencher o meu caderno com palavras que vão saindo à deriva. À deriva como eu ando agora pela chuva. Fria, molhada, trémula, procuro algo mas nada encontro. Não sinto os pés, a lama enterra-me os tornozelos. Trovões e raios caem sobre o cinzento do céu. Continuo a sentir o meu coração, que continua quente mesmo com todo este frio. Está quente e há mínima recordação derrete-se. É noite, a escuridão apoderou-se do céu e tenta apoderar-se de mim. Deambulo pelos cantos, procuro um sinal e não o vejo, desespero na noite. Não encontro a Lua nem as estrelas, não há um único raio para me guiar. Estou completamente sozinha, perdida. Ando à deriva nesta imensidão da noite. Preciso de carinho, de amor, de cuidados. Onde está o sinal que procuro para me tirar desta escuridão? Onde estás Meu Anjo? Preciso da tua companhia e da tua mão. Estou a perder os sentidos, a lucidez.

Caí inanimada. O fim chegou. E agora? Será que alguém me vem salvar? Inesperadamente, ainda com vida, sinto algo. É quente e toca no meu rosto. É um raio de sol que rompe pelas densas nuvens e começa a aquecer. Aquece-me a cara, mas estou num estado tão moribundo que não é suficiente para me libertar deste. Outro raio aparece, mais quente, mais forte. Subitamente os céus rasgam-se, infiltram-se em mim milhões e milhões de raios. Desperto. A cor pálida desaparece e a minha temperatura corporal volta ao normal. Acordei para a vida. Uma vida com novo sabor, com novos sentimentos. As nuvens dispersaram e a chuva abrandou. Um bonito céu azul substituiu a escuridão antes residente. Um lindo arco-íris aparece. Estou viva! Estou viva é o que interessa, e recuperada de toda a dor do passado. Isto é uma nova vida. Um novo começo."
 
Poeta mascarado
 
 
Não deixe de lutar, de acreditar que é capaz de se libertar de todo o sofrimento que cerca o seu Ser. Estes raios de Sol invadirão a sua Vida e assim poderá continuar a caminhar. Força!
 
publicado por Realidade Mascarada às 11:42

Gostei muito do texto que introduziram no blog. Têm que colocar mais artigos pois sou visitante assídua.

Hoje é daqueles dias que não sei o que fazer. Sinto-me perdida, confusa, sozinha, e mais umas centenas de milhares de sentimentos negativos. Não me perguntem o porquê, pois também não saberei responder.

Estou sem reacção. Não sei para que lado me virar. Não sei o que fazer para ajudar as pessoas que neste momento precisam de mim. Mas raios, porque teve que ser esta pessoa? e agora? com quem falo, com quem partilho aquilo que sinto? Se for com ela ainda a vão abalar mais. e se for com outras?? porra, não existe mais ninguém. Estou tão concentrada em si que nada mais vejo, não existe mais ninguém.

Preciso de parar, mas e tempo? Não há tempo. Quer dizer, haver até há mas já está ocupado com outras coisas. Que para mim, não são de todo prioridade, mas alguém disse que eram logo têm que ser.

(até nas minhas palavras se nota a confusão)

Até à próxima...
Anónimo a 12 de Fevereiro de 2009 às 15:44

Parabéns pelo texto, que está fantástico e já agora, parabéns pelo vosso blogue. Não haja duvida: os responsáveis por este blogue têm personalidade e um trabalho digno de reconhecimento...! Vim aqui parar por acaso... com o mesmo acaso que me leva a reflectir sobre certas s coisas que nos acontecem. É fantástico sonhar, até ao dia em que acordamos...e percebemos que o sonho é algo que nos motiva, mas que nos ilude também! Nunca nada é como imaginamos. Se quisesse explicar não conseguiria. Sinto um vazio, uma vontade incontrolável de voltar...! Tenho saudades, saudades de recuar no tempo. São tantos os sentimentos que nem os consigo definir. Tantas vezes sinto a necessidade de mudar tudo; mudar-me a mim, aos outros ao mundo. Mas terei eu esse direito?Pois, quem tem?

Já agora:CARNAVAL...aproxima-se um dia em que podemos fazer o que fazemos em muitos outros dias do ano: usar uma máscara, disfarçar um rosto... mas no dia de carnaval tudo é permitido, porque ninguém contesta o facto de nos mascararmos, já que todos fazem o mesmo. Um dia em que somos todos iguais, embora fantasiados de maneiras diferentes. Talvez seja apenas mais uma dia, mais uma máscara em mais um dia...! Afinal, não é um dia assim tão diferente...! Quem não usou já uma máscara numa altura da sua vida? Há até quem use uma máscara permanente, que quando chega ao Carnaval e quer mascarar-se acaba por não saber que máscara usar já que esgotou as possibilidades!!!Pois... neste momento talvez use uma máscara... a máscara da felicidade que esconde a tristeza... a máscara da força que enconde a fraqueza... a máscara do sorriso que esconde a lágrima...!
Mas este ano mascare-se de si mesmo... se ainda sabe quem é...
Mascare-se, mas só no Carnaval... pois um dia quererá retirar a máscara e não saberá como era antes de a colocar...
Anónimo a 14 de Fevereiro de 2009 às 01:12

mais sobre mim
Fevereiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27


pesquisar
 
blogs SAPO